Edição de vídeo: tudo o que você precisa saber

Todo youtuber, independente do tamanho do canal, recebe a seguinte pergunta: “como você edita seus vídeos?”. O problema de responder isso é que, na real, não existe apenas uma maneira de editar. Não existe fórmula. Tudo depende do maquinário que você vai usar (computador, laptop, tablet, celular), do estilo de vídeo que quer produzir e da grana que você quer investir.

É verdade que produzir vídeo é fácil. Dá até para fazer pelo celular. Mas se você tá afim de encarar a vida de produtor de conteúdo, programe-se para fazer alguns investimentos, como uma câmera bacana, microfone, iluminação e editores de vídeo. O Movie Maker (Windows) e iMove (MAC) são ótimas opções para quem está começando. São grátis, super fáceis de usar e não exigem muito do computador.

O único problema é que (como é de se esperar) eles não trazem muitos recursos. Dá pra fazer o básico e só. Por isso, hoje vamos nos concentrar nos softwares profissionais. Eles não são tão baratos, mas são investimentos essenciais na vida de um youtuber.

Existem três softwares mais famosos neste ramo: Sony Vegas, Adobe Premiere e Final Cut (apenas para MAC).

O que eu costumava usar: Sony Vegas e Final Cut

Cinco anos atrás, comecei a editar no Sony Vegas. Como não tinha grana, editava meu material no computador do meu irmão mais velho e o Sony Vegas era o único software que ele já tinha. Como naquela época eu tinha experiência ZERO com edição de vídeo, achava ele o máximo. Só o fato de estar editando vídeo em um programa premium já me dava a sensação de “sou importante” kkkkk.

Mas agora, com a perspectiva que tenho, sei que esse programa não é muito legal. O programa é completinho e dá para produzir bom material com ele. Porém a interface é super difícil de entender de primeira. É daquele tipo de programa que você olha e pensa “que p*rra é essa?”.

Depois de um tempo, fiz o primeiro investimento para o canal: comprei meu próprio computador. Um Mini MAC. Não era super potente, mas já era alguma coisa. Também decidi investir no Final Cut, software de edição nativo da Apple e super bem recomendado.

Amei ele. Inclusive usei por muitos anos. Como muitos programas da Apple, a interface é super intuitiva. Se você já tem uma experiência básica com edição de vídeo vai se adaptar muito bem com ele. O único problema é que ele é muito pesado e exigia muito do meu Mini MAC. Coitado! Tinha vezes que eu pensava que meu computador ia explodir de tão quente que ficava. Fora que ficava travando direto.

Mesmo assim, continuei usando porque simplesmente amava editar com ele. Super fácil.

Com o tempo, o computador travando ficou cada vez mais chato de trabalhar e resolvi fazer upgrade para um MacBook Pro Retina de 15 polegadas, processador Intel Core i7, 16GB de memória. Uma Ferrari dos computadores. O melhor maquinário que já tive (e tenho até hoje).

Nele, o Final Cut rodava maravilhosamente bem. Porém, sentia a falta do suporte de outros programas. Estava começando a mexer com efeitos especiais, correção de cor e audio e tinha que usar programas de terceiros porque o Final Cut não cobria muito essa área. Dava para fazer algumas coisinhas, mas nada muito especial. Decidi então mudar de software.

O que uso agora: Adobe Premiere

Pra mim, a Adobe é só amor. Seja você um designer, fotógrafo, youtuber ou qualquer outra profissão que precise de editor de imagem (foto e vídeo) e som, a Adobe tem o programa certo pra você. Como tudo, ele vem com um custo. O plano básico são doídos R$175/mês. O site oferece alguns planos com desconto para casos específicos. Vale a pena dar uma olhada para ver se você se encaixa em um deles. Mas no geral é esse valor mesmo.

É caro? Sim. Mas vale cada centavo. O plano mencionado acima dá direito a todos os programas (são mais de 20). No meu dia-a-dia de edição de vídeo, eu uso o Adobe Premiere para a edição básica (como corte, sobreposição e etc), faço correção cores e efeitos especiais no After Effects e correção do som no Audition. Fora isso, uso o Photoshop para edição de fotos e o InDesign para diagramação de material impresso.

Fora que você tem acesso a muitos outros programas consagrados no mercado, como o Illustrator, Bridge e o Dreamweaver.

O melhor de tudo é que, como os programas são feitos por uma única empresa, eles conversam entre si. Isso significa que você pode literalmente copiar um arquivo do Premiere e colar no After Effects, por exemplo. É super prático e uma mão na roda. Esse tipo de diálogo entre os programas é tão legal que não consigo mais imaginar trocar de software e não ter mais essa função.

Concluindo…

Embora os produtos da Adobe saiam mais caro a longo prazo, porque o pagamento é mensal ao invés de um preço fixo, a qualidade do serviço é excelente. Recomento muito você dar uma pesquisada na internet sobre isso. Um detalhe que não mencionei acima é que o plano ainda dá acesso ao TypeKit, uma ferramenta tipo o Google Font. Super útil para personalizar a fonte do blog/site.

Enfim, caso tenham algumas dúvidas sobre o assunto, falem comigo nas redes sociais e ficarei feliz em responde-las.