Lei em São Paulo garante que médicos travestis e transexuais usem nome social

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Márcio Gomes de Aranha Lima, presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), diz que a instituição deve aprovar até setembro uma resolução que permitirá a médicos travestis e transexuais do estado usarem o nome social no exercício da profissão. Em entrevista ao G1, Márcio diz que “se o médico é reconhecido na sua plenitude de identidade e pessoa, ele será um melhor médico. E quem se beneficia é o paciente. Quero que isso saia no máximo até o fim de setembro. Mas acho que pode ser antes”.

A resolução ainda precisa ser votada por 42 conselheiros. O presidente acredita que ninguém deve se opor a decisão. “Dependo só de um parecer do departamento jurídico para implementar. A iniciativa da presidência já conta bem a favor. Ninguém hoje se oporia a isso (…) O Conselho não pode agir com preconceito”, diz ele.

Usar o nome social já é direito de travestis e transexuais em ministérios, universidades federais, empresas estatais e em órgãos do serviço público federal.