Exclusivo! Marcela Lahaud comenta casamento gay e preconceito no Youtube

Adam Mitch para Revista ADAM
Adam Mitch para Revista ADAM

Eu tenho o prazer de sempre estar em contato com a Marcela Lahaud, youtuber incrível que comanda o canal Embarque Imediato. Desde que fiz matéria de capa da última ADAM com ela, a gente vem trocando ideias. Boys, carreira, coisas do dia-a-dia… A gente fala de tudo!

Quando veio a notícia hoje de manhã sobre a legalização do casamento gay nos 50 estados dos EUA, correi pra ela para comentar o caso. Marcela é uma grande ativista da comunidade LGBT. Mesmo não sendo homossexual, ela tem uma opinião forte sobre o assunto.

Além disso, conversamos sobre como a homossexualidade é encarada no Youtube e como ela lida com a situação.

Depois de ler nossa entrevista abaixo, faça questão de se inscrever no Embarque Imediato no Youtube, seguir ela no Twitter, dar um like na fanpage no Facebook e ler a matéria de capa que fiz com ela para a ADAM.

ADAM: Como foi sua reação ao descobrir que o matrimônio homossexual foi legalizado em todos os EUA?
MARCELA LAHAUD: Pode soar meio demagogo e clichê, porém eu chorei. Principalmente quando eu vi a imagem do perfil Casa Branca no Twitter e de tantas outras empresas com grande importância mundial, que colocaram o arco íris em seus logos.

A: Como você acha que isso vai afetar a comunidade LGBT aqui no Brasil?
ML: Os EUA é um país com uma enorme importância no cenário mundial, servindo de inspiração e exemplo para diversos países. Acho que a legalização do matrimonio homossexual lá foi um grande passo para que o preconceito contra a comunidade LGBT diminua no mundo inteiro e, consequentemente, a conscientização da população brasileira de que ser gay ou hétero ou qualquer outra coisa, não distingue ninguém. A conquistas dos direitos gays em qualquer lugar do globo ajuda o mundo inteiro. Faz as pessoas abrirem a mente.Tenho fé que aos poucos a comunidade LGBT irá conquistar mais e mais diretos e alcançará a igualdade.

A: Você já mostrou bastante apoio aos gays em seu canal. Já sofreu alguma descriminação?
ML: Não discriminação direta, até porque sempre deixei claro em todas as minhas redes socais que eu sou a favor da causa. Então quem não curte, já vaza – ou eu bloqueio logo de cara. O que acontece muito é a galera me perguntando se eu sou lésbica, principalmente depois que comecei a postar constantes fotos com a @Sangerine. Mas eu até acho engraçado. Quer dizer que para ser contra o racismo preciso ser negra? Para ser contra a pobreza preciso ser pobre? Esse tipo de acusação que acontece quando alguém me chama de homossexual me faz rir. Me machuca mais quando eu apoio alguma marca e/ou movimento e vem meia dúzia de gatos pingados, com palavras ofensivas, e fazendo uso pejorativo como: “AI ESSE MARCA DE VIADINHO! VAI VIRAR GENTE DE VERDADE. MIMIMI!”, ou usando citações de gente que eu não respeito – como uns pastores que tem por ai que eu nāo vou citar nome.. COF COFELICIANO COFMALAFAIA. Mas ai eu bloqueio a pessoa. Fico chateada por 10 minutos e depois passa.